Obra para implantação de rede de esgoto interdita trecho de avenida em São Lourenço da Mata

Obra para implantação de rede de esgoto interdita trecho de avenida em São Lourenço da Mata

Hoje (12) iniciou assentamento de rede na Avenida Dr. Belmino Corrêa; intervenção no local será concluída em janeiro de 2019

 

 

 

A cidade de São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana do Recife, está recebendo uma grande obra de implantação de Sistema de Esgotamento Sanitário (SES). Hoje (12) iniciou uma intervenção para assentamento de rede de esgoto, com 300 metros de extensão no total, ao longo da Avenida Dr. Belmino Corrêa, no Centro da cidade. Em função do porte da obra e buscando minimizar o impacto no trânsito, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) programou implantar essa tubulação em trechos de 50 metros, por vez. O primeiro trecho da avenida, que tem dois sentidos, foi interditado entre a Rua Fernando Pereira Araújo e a Academia das Cidades. Durante todo o período da intervenção, o tráfego no trecho com obras da via  estará  sinalizado e funcionará com esquema de ‘pare e siga’. As obras na avenida devem ser concluídas até o fim de janeiro de 2019.

 

A obra é executada pela BRK Ambiental, parceira privada da Compesa no Programa Cidade Saneada, e faz parte da primeira etapa dos serviços de construção do SES de São Lourenço da Mata, empreendimento que recebe o investimento de R$ 40 milhões e vai beneficiar 25 mil pessoas na cidade. Parte do sistema implantado, em breve, entrará em operação para beneficiar os moradores dos bairros de Pixete e Nova Tiúma com serviços de coleta e tratamento de esgoto. Isso porque será colocado em operação unidades e rede que já estão prontas e em fase final de testes: cerca de 14 quilômetros de tubulações, uma Estação de Tratamento de Esgoto e uma estação elevatória.

 

Na primeira etapa do SES, já foram assentados cerca de 49 quilômetros de tubulações nos bairros de Rosina Labanca, Ersina Lapenda, Centro, Caiará, Vila do Reinado, Nova Tiúma, Pixete, Várzea Fria e Chã de Tábua. Até o primeiro semestre de 2019, ainda serão implantados mais 3 quilômetros de rede coletora e finalizada a construção de mais duas estações elevatórias que vão compor o sistema de esgotamento sanitário.