Prefeitura amplia ações de limpeza de trechos do Rio Tejipió para otimizar funcionamento da rede de drenagem de bairros da Zona Oeste

Prefeitura amplia ações de limpeza de trechos do Rio Tejipió para otimizar funcionamento da rede de drenagem de bairros da Zona Oeste

Ação, que terá duração de seis meses e receberá R$ 3,5 milhões, amplia em 33% os investimentos para limpeza de canais dentro dos esforços da Ação Inverno. Desde janeiro, já foram limpos 42 canais, dos quais foram retirados quase 44 mil toneladas de resíduos 


 

Preparar a cidade para o período do inverno é uma das prioridades da Prefeitura do Recife. Entre os principais esforços da gestão para minimizar os efeitos da chuva está a limpeza de canais e rios da cidade. Nesta segunda-feira (3), o prefeito João Campos vistoriou as ações de limpeza de trechos do Rio Tejipió, que receberá um aporte de R$ 3,5 milhões para a operação. A medida visa otimizar o funcionamento da rede de drenagem drenagem de bairros como Totó, Barro, Areias, Caçote, Ibura e Imbiribeira, algumas das regiões mais afetadas pelas últimas chuvas no Recife. Os serviços foram iniciados no último dia 19, seguirão pelos próximos seis meses e, com o anúncio, o prefeito amplia de R$ 7 milhões para R$ 10,5 milhões o investimento na limpeza dos 99 canais da cidade. 

 

“A gente autorizou uma intervenção para fazer a limpeza, a manutenção desta área do Rio Tejipió. São três milhões e meio de Reais que serão executados nos próximos meses. A gente sabe que o Tejipió é um rio que está assoreado, então tem muito resíduo dentro dele e, quando vem uma chuva muito forte, termina impactando toda a região. Quando chove muito, o transtorno é grande para as famílias que aqui moram e que por aqui trafegam para poder se locomover pela cidade”, disse João Campos. Ao todo, a intervenção contará com o trabalho de 50 homens, com apoio de máquinas e dois barcos para auxiliar na execução do serviço. Serão atendidos os quatro trechos mais críticos do rio.

 

Um trabalho que não pode ser realizado apenas pelo poder público, como destacou o prefeito. “Com essa intervenção a gente vai garantir uma melhoria da qualidade da drenagem, mas a gente também precisa da participação de cada um e cada uma. Já foram tiradas mais de 342 toneladas de resíduos somente deste rio. É fundamental que cada um e cada uma possa fazer a sua parte, botar o lixo no lugar adequado, no local correto, para garantir que nossa cidade fique limpa”, reforçou João Campos. 

 

Morador do bairro do Caçote, o motorista Carlos José dos Santos, 54 anos, também defende que este é um compromisso que deve ser abraçado pela população. “A Prefeitura está aqui fazendo a parte dela, mas nós precisamos fazer a nossa. Esse é um dinheiro que poderia estar sendo investido em educação, em saúde para a gente, mas está sendo colocado nesta obra em parte porque as pessoas não cuidam”, lamentou. A esperança de Carlos é de um inverno mais tranquilo. “Ainda que esteja em andamento, a limpeza já vai amenizar a nossa situação aqui neste inverno”, comemorou. 

 

BALANÇO - Iniciada em janeiro, a limpeza dos canais que cortam a cidade do Recife já resultou na retirada de quase 44 mil toneladas de lixo de 42 canais  até agora. A intervenção faz parte da Ação Inverno 2021, que envolve o trabalho de diversas Secretarias e Órgãos com foco na manutenção, prevenção e redução de danos na cidade para o período de chuvas. Os serviços vêm sendo realizados pela Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), responsável pela limpeza dos 99 canais do município, operação que recebe investimentos anuais da ordem de R$ 7 milhões.

 

Para se ter ideia da dimensão do descarte incorreto de resíduos, a coleta mensal de lixo domiciliar da cidade gira em torno de 45 mil toneladas e, assim, o montante de lixo incorreto já retirado dos canais representa quase 20% das 224 mil toneladas de lixo total oriunda de coleta domiciliar e limpeza de canais do Recife até o final de abril de 2021. Sem a compreensão e empenho da população, entretanto, os esforços se mostram insuficientes para garantir o escoamento das águas em períodos chuvosos. 

 

Além dos danos causados à mobilidade da população, o descarte incorreto também afeta a flora, uma vez que boa parte dos materiais é composta por plástico, que leva centenas de anos para se decompor, além de também se tornar uma ameaça à fauna marinha, uma vez que parte desses resíduos chega ao mar e deixa os animais em risco, pois podem confundir o plástico com comida, fato que leva a milhares de mortes anuais de espécimes marinhos.

 

Até agora 42 canais já foram limpos desde janeiro, a exemplo dos canais do Arruda; Santa Terezinha (Santo Amaro); Ibiporã (Coque/Joana Bezerra); Fernandinho (Joana Bezerra); Derby-Tacaruna (Derby); do Arruda (Arruda-Vasco da Gama); da Cohab/Canal A (Torreão); do Torreão/Canal B (Torreão); da Barriguda (Encruzilhada); do Chié (Campo Grande); Passarinho (Nova Descoberta); Córrego da Padaria (Água Fria); do Serpro (Casa Forte); entre outros.

 

Canais com limpeza em andamento (10) -  Córrego da Areia (Nova Descoberta); Rio Morno (Guabiraba); Canal Vila das Crianças (Cohab); Córrego do Cotó (Água Fria); Córrego do Caroá (Nova Descoberta); Canal da Rua Carlos de Brito (Engenho do Meio); Canal de São Leopoldo (Engenho do Meio); Três Carneiros/Monte Verde (Cohab); Travessa Realeza (Ilha de Joaneiro); e trechos do Rio Tejipió.

 

Ecoestações - Outro serviço disponível para a população é o descarte através das Ecoestações, onde podem ser depositados objetos maiores como sofás, camas e demais eletrodomésticos. Atualmente há 10 Ecoestações instaladas no Recife estão nos bairros do Ibura, Imbiribeira, Campo Grande, Totó, Cohab, Torrões, Torre, Arruda, Pina (Via Mangue) e Iputinga. 

 

Além dos recicláveis, as Ecoestações recebem outros tipos de resíduos, como móveis velhos, restos de pequenas obras residenciais e outros materiais, evitando que os entulhos sejam descartados irregularmente em vias públicas ou nos canais. A população pode entregar uma quantidade de resíduos e entulho calculada em até um metro cúbico por dia de segunda a sábado, das 8h às 16h. Não são permitidos descartes de lixo hospitalar, industrial e eletrônico.

Imagens - Marcos Pastich/ PCR Imagem