Vice-Prefeita Isabella de Roldão é nomeada embaixadora para América do Sul da Cities Climate Finance Leadership Alliance

Vice-Prefeita Isabella de Roldão é nomeada embaixadora para América do Sul da Cities Climate Finance Leadership Alliance

Presença do Recife em coalizão global dedicada ao urbanismo sustentável facilitará o acesso da capital pernambucana a fontes de financiamento para ações climáticas

 

 

A vice-prefeita do Recife, Isabella de Roldão, foi nomeada nesta quarta-feira (12) embaixadora para a América do Sul da Cities Climate Finance Leadership Alliance. Trata-se de uma coalizão global de entidades dedicadas ao urbanismo sustentável, com foco no financiamento de ações climáticas e de infraestrutura resiliente de baixo carbono em cidades de todo o mundo.

 

Entre os critérios que credenciaram a vice-prefeita como embaixadora da Alliance, destaca-se o seu compromisso com a promoção de políticas públicas voltadas ao desenvolvimento sustentável. O tema, aliás, é uma das prioridades na pauta que Isabella de Roldão tem articulado com a rede consular da cidade, como coordenadora das Relações Internacionais da Prefeitura do Recife. A vice-prefeita também é integrante oficial do Grupo Executivo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas do Recife (GeClima) e do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030, que têm como missão fornecer subsídios à gestão municipal para que o Recife cumpra os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e atinja a meta de zerar a emissão de gases do efeito estufa até 2050. 

 

Isabella ainda participa ativamente junto ao Iclei - Governos Locais pela Sustentabilidade das discussões e planejamentos para enfrentar os efeitos das mudanças climáticas e garantir proteção ao meio ambiente no Recife. "Sinto-me muito honrada com a nomeação, sobretudo por estar ao lado de mais duas mulheres na nova composição do grupo de embaixadores anunciada hoje. Agradeço a Alliance por seguir a tendência internacional de ter lideranças femininas nas discussões sobre sustentabilidade. Recife se destaca por sua participação ativa junto a instituições mundiais relacionadas à ação climática. Nessa função, reforçarei esse trabalho atuando junto a entidades internacionais para estabelecer parcerias e atrair investimentos para a nossa cidade em uma área essencial ao nosso crescimento e ao nosso futuro. Já temos muitas iniciativas de promoção da economia verde que vêm sendo construídas a muitas mãos nos últimos oito anos e vamos avançar mais”, afirma a vice-prefeita. 

 

Para o prefeito João Campos, a escolha de Isabella, representando o Recife, reforça o compromisso da cidade com a agenda climática. “O Recife tem uma posição muito ativa no debate da emergência climática e também temos um compromisso na cidade em trazer ações concretas que reduzam as emissões de gases. Já temos um Plano de Ação Climática, estamos trocando todo o parque de iluminação da cidade para a tecnologia LED, mais eficiente, investindo na mobilidade ativa com ampliação da malha cicloviária. Temos uma série de ações que dialogam com essa agenda e a presença de Isabella nessa nova posição vai contribuir muito com isso. Com certeza fará um grande trabalho representando a nossa cidade e dialogando para trazer novas ideias e ações para o Recife”, disse.

 

A nomeação foi anunciada durante a assembleia anual da Alliance. Isabella de Roldão assume o posto ao lado da prefeita da cidade de Makati, nas Filipinas, Mar-len Abigail S. Binay (representante da Ásia), do diretor de Resiliência da Cidade do Cabo, na África do Sul, Gareth Morgan (representante da África) e da ex-membro da Câmara Municipal de Beirute, no Líbano, Nada Yamout (representante do Oriente Médio). 

 

Além da conexão com uma ampla rede de intercâmbio de conhecimento estratégico, a atuação da vice-prefeita como embaixadora deve facilitar o acesso do Recife a fontes de financiamento para projetos inovadores relacionados ao enfrentamento da crise climática. Isso porque a Alliance tem entre seus membros instituições financeiras públicas e privadas, governos, organizações internacionais, ONGs, grupos de pesquisa, participantes do mercado de finanças climáticas municipais e redes que representam a maioria das grandes cidades do mundo. É o caso da ONU Habitat, da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, do Ministério Federal Alemão para o Meio Ambiente, do Fundo Felicity e do Fundo Mundial para a Natureza (WWF). 

 

O gerente geral de Articulação Política e Internacional da vice-prefeitura, Rafael Bezerra, ressalta, ainda, que a superação do desafio global da mudança climática e a criação da chamada Economia Verde são temas centrais de parcerias estratégicas, seja entre países, seja entre entes subnacionais, como as cidades. “Termos uma City Ambassador Alliance para a América do Sul em nossa cidade catalisará a implantação de iniciativas de cooperação para desenvolvimento sustentável e o financiamento para ações ‘glocais’ de implementação da Agenda 2030.” 

 

 

TRAJETÓRIA VERDE

 

A presença do Recife em uma aliança com a projeção da Cities Climate Finance Leadership é mais um passo no reconhecimento da capital pernambucana como referência em governança climática. Um trabalho que teve início de forma mais intensa há oito anos, na gestão do ex-prefeito Geraldo Julio, atual secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado e presidente do Conselho Regional do Iclei na América do Sul.

 

Como a 16ª cidade mais vulnerável às mudanças do clima no mundo, o Recife foi o primeiro município do Brasil a reconhecer a Emergência Climática e se comprometer a empenhar esforços ambiciosos para reverter os seus impactos. Em meio a muitas outras conquistas, isso resultou em um inventário atualizado de emissões de gases do efeito estufa, na análise de riscos e de vulnerabilidades e no Plano Local de Ações Climáticas (Plac). Construído de forma colaborativa com o Iclei, órgãos municipais e sociedade civil, o plano reúne ações em quatro eixos: Mobilidade, Saneamento, Energia e Resiliência. 

 

 

COMPROMISSO DA NOVA GESTÃO

 

Em pouco mais de quatro meses de gestão, o prefeito João Campos também tem assumido de forma exemplar o protagonismo no desenvolvimento e execução de iniciativas que atendem à agenda global de sustentabilidade. No fim de abril, por exemplo, aderiu à campanha Race to Zero, compromisso de neutralização de carbono até o ano de 2050, em conformidade com o Acordo de Paris.   

 

Membro do Comitê Executivo Global (GexCom) e do Conselho Global do Iclei, além de vice-presidente de Mudanças Climáticas da diretoria-executiva da Frente Nacional de Prefeitos, João Campos também tem atuado para promover a mobilidade ativa, com a priorização do transporte a pé, por bicicleta e por transporte público. A ampliação da malha cicloviária, implantação de Faixas Azuis e pedestrianização de vias, como a Rua do Bom Jesus, fazem parte dos esforços da gestão pela redução de carbono.

 

Outro projeto de relevância está em curso no Hospital da Mulher do Recife para tornar a unidade de saúde 100% sustentável do ponto de vista energético, com um amplo sistema de geração fotovoltaica.

 

A melhoria da qualidade de vida da população é o foco, ainda, do Parque Capibaribe, que transformará o Recife em uma cidade-parque, estimulando os recifenses a se voltarem para o rio que está na base da identidade local. A iniciativa descortinará belas paisagens ao longo de 30 km de parques integrados, com áreas de estar, passarelas, ciclovias, equipamentos de lazer e píeres para pequenas embarcações. As obras estão a todo vapor, com o início da construção do Parque das Graças, cuja primeira etapa será concluída este ano. Fruto de muito diálogo e de uma construção coletiva com a sociedade civil, o Parque Capibaribe pretende fazer do Recife uma cidade mais verde e dinâmica para esta e as futuras gerações.

 

FOTOS: Brenda Alcântara / PCR