Nota da SECULT/PT-PE - “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, mais um caso de censura institucional.

Nota da SECULT/PT-PE - “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, mais um caso de censura institucional.

Acompanhando vergonhosamente alguns atos de censura do Prefeito do Rio, Marcelo Crivela e do Prefeito de São Paulo, João Dória, o governo de Paulo Câmara, através da sua Secretaria Estadual de Cultura, cancelou a apresentação do espetáculo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, que tinha como protagonista a atriz trans Renata Carvalho, no Festival de Inverno de Garanhuns, que acontecerá em julho/18. Sob o argumento de “preservar o espírito de união do Festival”, o governo estadual sucumbiu às pressões do governo municipal, como também seus aliados conservadores e fundamentalistas, que são contrários à peça. 

O espetáculo, que passou pelo crivo de um edital, foi selecionado por um modelo já consolidado de comissões de seleção da programação de espetáculo, que não passa por censura ou posição pessoal do governador. Tal atitude coloca em cheque a legitimidade das comissões de seleção dos editais do governo estadual e a necessidade da existência de tais comissões, pelo flagrante ato de autoritarismo. 
O século vinte e um tem sido marcado por uma série de conquistas do segmento populacional LGBT, nas políticas públicas e na compreensão do papel do estado, em especial da cultura, na desconstrução de concepções LGBT fóbicas, no combate a violência contra essa população, e na promoção de direitos. Em um país campeão mundial em assassinato na população trans e no estado que ocupa a 6ª colocação em assassinatos da população trans, a atitude do governo de Pernambuco, contribui para a disseminação da discriminação, busca invisibilizar o segmento e se alinha a governos autoritários, preconceituosos que cerceiam a liberdade artística e de opinião como é o caso.

O governo sai na contramão dos avanços sociais conquistados pelo segmento, não reconhece suas pautas e não favorece o legítimo e necessário debate com a sociedade em geral. Isso tudo contribui para o avanço das forças retrógadas, que se apoiam na censura e na intolerância ao que é diverso, tentando enquadrar a arte num cercadinho confortável as suas aspirações medíocres e medievais.

Nós, que compomos a SECULT PT/PE, nos posicionamos contrário à qualquer tipo de censura, pois primamos pela valorização da diversidade e por uma política cultural inclusiva, afirmativa que promova os direitos de populações vulnerabilizadas.
Não à censura!
Liberdade à arte e aos artistas!!
 
Recife (PE),02/07/2018
SECULT PT/PE