Kremlin acusa EUA de tentarem usurpar poder na Venezuela; China se opõe a interferência externa

Kremlin acusa EUA de tentarem usurpar poder na Venezuela; China se opõe a interferência externa

Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, participa de manifestação em apoio a seu governo em Caracas 23/01/2019 Palácio Miraflores/Divulgação via REUTERS

 

MOSCOU/BRUXELAS (Reuters) - A Rússia acusou os Estados Unidos de tentarem usurpar o poder na Venezuela e advertiu contra uma intervenção militar norte-americana no país, assumindo posição contrária à de Washington e da União Europeia, que apoiaram protestos contra um dos principais aliados de Moscou.

 

 

O líder da oposição venezuelana Juan Guaidó se autodeclarou presidente interino do país na quarta-feira, ganhando o apoio de Washington e da maioria da América Latina e fazendo com que o presidente socialista Nicolás Maduro, que lidera o país rico em petróleo desde 2013, rompesse os laços diplomáticos com os Estados Unidos.

 

 

A perspectiva da deposição de Maduro representa uma dor de cabeça geopolítica e econômica para Moscou que, junto com a China, tem se tornado um credor de Caracas, emprestando bilhões de dólares ao país. Moscou também tem fornecido apoio às Forças Armadas e à indústria petrolífera venezuelana.

 

 

Nesta quinta-feira, a Rússia acusou Washington estimular protestos de rua na Venezuela e de tentar derrubar Maduro, que chamou de presidente legítimo do país.

 

 

“Nós consideramos que a tentativa de usurpar a autoridade soberana na Venezuela contradiz e viola a base e os princípios da lei internacional”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

 

 

Peskov disse que a Rússia não recebeu um pedido de ajuda militar por parte da Venezuela e se recusou a dizer como o país responderia se recebesse. Maduro, que se encontrou com o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou em dezembro, é o presidente legítimo da Venezuela, disse Peskov.

 

 

O Ministério de Relações Exteriores da Rússia também se pronunciou, afirmando que Washington está tentando determinar o destino de outros países utilizando a conhecida estratégia de derrubar governos que o desagradam.

 

 

 

A chancelaria também disse para Estados Unidos não intervirem militarmente, advertindo que uma interferência externa pode levar a um massacre. “Nós alertamos contra um aventureirismo do tipo que é carregado de consequências catastróficas”,

 

 

O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, também ofereceu apoio a Maduro.

“Meu irmão Maduro! Mantenha a cabeça erguida, nós estamos com você”, disse Erdogan, segundo publicação do porta-voz presidencial Ibrahim Kalin no Twitter.

 

 

A China, grande credora de Caracas, também expressou apoio a Maduro, dizendo se opor a qualquer interferência externa na Venezuela e apoiar esforços para proteger a independência e estabilidade do país.

 

 

“A China apoia os esforços feitos pelo governo venezuelano para proteger a soberania, a independência e a estabilidade do país”, disse a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês Hua Chunying em um entrevista coletiva de rotina em Pequim.

 

 

“Quero enfatizar que as sanções externas ou interferências geralmente tornam a situação mais complicada e não ajudam a resolver os problemas reais”, acrescentou.