Luciana Santos e o atestado da derrota do PSB

Luciana Santos e o atestado da derrota do PSB

Por Jornalista Camila Barbosa

 

A candidatura de Marília Arraes não ressuscitou apenas o sonho do Pernambucano de eleger um governo com alma nova.

A falta de atrativo e expectativa de vitória da chapa majoritária encabeçada pelo quase ex governador  Paulo Câmara, aliada a marca de golpista do PSB, criou um desespero interno a ponto de tentar ressuscitar politicamente a candidata derrotada nas eleições de 2016 em Olinda, Luciana Santos.

Luciana em 2014 já amargava a rejeição da era PC do B em Olinda. Conseguiu se eleger nas últimas vagas para Deputada Federal, assumiu a presidência de um partido que em Pernambuco não fez nenhum Deputado Estadual, nenhum prefeito de relevância e quase não a elege. Mesmo assim, foi a candidata à prefeita de Olinda na eleição que marcou o enterro definitivo da era desastrosa Luciana/Renildo.

Na ânsia de tentar diminuir a cara do golpe do seu palanque, e trazer uma mulher na tentativa de contrapor a irreversível presença de Marília Arraes na eleição, o PSB cogita a presença de Luciana Santos para vice de Paulo Câmara, em mais um grosseiro erro político da quase sepultada Frente Popular de Pernambuco.

O governador Paulo Câmara, após a sua primeira derrota nessas eleições (não conseguir junto a Direção Nacional do PT rifar a candidatura de Marília Arraes) caminha a passos largos para mais uma derrota, dessa vez nas urnas. 

Após o pré candidato ao Senado Jarbas Vasconcelos anunciar apoio a Geraldo Alckmin, a ex deputada federal em atividade, com baixíssimas chances de reeleição Luciana Santos, só agregará a chapa do governador mais incoerência e nenhuma força política. 

Defender Lula e Dilma na Câmara Federal e permitir que o seu partido em Pernambuco se comporte como um puxadinho do PSB do Golpe, é além de incoerente, pouco inteligente da parte de ambos. Luciana termina de sepultar qualquer chance de reeleição de Paulo Câmara.

Luciana teve uma militância que somou méritos em muitas vias, mas permitiu jogar sua trajetória na vala comum do fisiologismo da velha política. Representa o fracasso de um projeto que de comunista não tem mais nem o nome. É uma extensão da sepultura do socialismo em Pernambuco.

Para Paulo Câmara, se a ideia é diminuir ou pelo menos equilibrar a disputa com a presença de uma mulher na vice, sendo Luciana Santos, o que vai conseguir agregar é um partido sem expressão no estado, sem estrutura e uma ex prefeita que se quer foi ao segundo turno em Olinda. A cidade derrotou o projeto político pessoal Santos/Calheiros e abriu espaço para um novo tempo.

Se o PSB anseia ver uma mulher no governo, já pode se acostumar com Marília Arraes no Palácio do Campo das Princesas, para sentar na cadeira de governadora. É Marília Arraes! A hora é dela e Pernambuco já mandou dizer ao Brasil. Pernambuco não tem mais tempo para alimentar a política de alianças compradas e partidos alugados. 

Mas convenhamos, sem Marília Arraes na disputa era difícil o Palácio lembrar de Luciana até para a disputa a Federal. O fator Marília Arraes serviu  para ressuscitar a falecida política Luciana Santos e colocar seu nome em posição num tabuleiro que em qualquer lugar que ela figurar vai amargar nova derrota. Mas sem a ameaça de Marília Arraes, nem para isso o Palácio precisava de Luciana.