Marília Arraes, e o Cancelamento do Aluguel do Clube Militar pelo presidente da Instituição, o que esse episódio tem a nos revelar?

Marília Arraes, e o Cancelamento do Aluguel do Clube Militar pelo presidente da Instituição, o que esse episódio tem a nos revelar?

Claude Raffestin em sua brilhante obra "Por uma Geografia do Poder" afirma que: "O objetivo do Poder é ver sem ser visto" por isso ele dissimula sua ação, dando a entender uma coisa, quando na realidade sua estratégia é bem outra. A Militância Petista, juntamente com os movimentos sociais vão realizar no próximo dia 20/05 um grande evento de apoio a pré-candidatura de Marília Arraes para Governadora do Estado de Pernambuco, para isso a organização alugou o espaço do Clube dos Oficiais da Policia Militar. Porem de forma surpreendente o presidente do clube cancelou o contrato alegando que o evento prejudicaria a imagem da instituição pelo fato de o evento também ser um ato pela liberdade do Ex-presidente Lula. Alegou Também que consultou a justiça eleitoral sobre a legalidade do evento onde foi informado que desobedecia o calendário eleitoral.

Qualquer adolescente ao ler as "desculpas" sobre o cancelamento do contrato de aluguel do clube, percebe que são bem falaciosas, para não dizer esfarrapadas,  então surgem as perguntas, O que realmente fez o presidente do clube mudar de ideia sobre o aluguel do espaço? Quem são os atores envolvidos nessa trama? A primeira vista as pessoas podem dizer que se trata de um clube conservador, que após a divulgação do ato houve questionamento, alguns acusam até de fascista... Mas se melhorarmos a pergunta e dizermos: A quem interessa o cancelamento do evento? Então podemos pensar de forma mais complexa e intuir algumas hipóteses e o Poder é a chave da questão.

Segundo Raffestin, o” Poder está presente em toda relação”. Desde o fim das ultimas eleições para o Governo do Estado, em 2014, as movimentações politicas para 2018 se iniciaram, Os dois grandes grupos estavam consolidados na disputa, o PSB pela Reeleição de Paulo Câmara, e um grupo de oposição composto pelo PTB de Armando Monteiro e pelos partidos que abandonaram a base do PSB no estado para formar uma aliança de direita afim de derrubar a hegemonia do PSB no estado. Nesse contexto surgiu um Fenômeno politico chamado Marilia Arraes, protagonizado pela militância do PT e que espantosamente se caiu nas graças do povo pernambucano ao ponto de empatar tecnicamente nas pesquisas com os grupos citados.

Esse fator novo ameaça fortemente o projeto de reeleição de Paulo Câmara, que apesar de ter perdido grande parte de sua base e de fazer um governo com grande rejeição, tinha uma certa vantagem pela grande força da Maquina do Estado, que o PSB demonstrou bem eu sabe usar nas ultimas eleições, que que segundo analistas políticos terá um peso ainda maior nessa eleição. Para garantir seu projeto o PSB passou a assediar o PT no estado oferecendo uma aliança com cargos e investimentos em certas candidaturas proporcionais. Tirar Marilia do Páreo virou uma meta central para garantir a reeleição de Paulo Camara.

Mas como ligar isso tudo ao cancelamento do aluguel do Clube de oficiais? Paulo Câmara teria influencia no Clube? Se olharmos para os governos do PSB, desde Eduardo Campos, veremos que o partido tem uma estreita relação com o alto escalão da PM, e não é simplesmente uma relação de Estado e gestão, é uma relação politica, a PM tem um grande poder de declinar politicamente um governo, basta uma greve e a coisa fica feia pro governador. Aqui em Pernambuco aconteceram varias greves, e mesmo sem aumentar o salario dos soldados, nem melhorar as condições de trabalho as greves foram controladas com mão de ferro, isso graças a parceria entre o governo do PSB e os oficiais. Como assim? Rolavam algumas promoções, aumento dos salários dos comandantes e fim de Greve.

A parceria foi ficando cada vez mais forte, e mesmo recebendo o pior salario do país os PMs estavam sobre controle, pois os oficiais passaram agora a receber cargos no governo do estado e nas prefeituras. Toda prefeitura do PSB tem um coronel como secretário, ou um major como diretor. E nesses cargos aconteceram coisas bem sinistras como o desvio de recursos que deveriam atender as famílias atingidas pelas enchentes na Mata Sul.

Todos esses elementos nos fazem pensar bastante sobre o contrato cancelado, pode-se lamentar pela forma obtusa como se deu, mas pode-se comemorar o fato de que Marilia Arraes é o fato novo que pode vencer as eleições, por isso querem tira-la a todo custo.

João Oliveira
Geógrafo
Educador Popular
Presidente do PT de Moreno PE