O PT Pernambuco, as alianças, o retorno à beira do abismo ou protagonismo em 2018

O PT Pernambuco, as alianças, o retorno à beira do abismo ou protagonismo em 2018

Movimento da Base - MOB, lança manifesto histórico sobre defesa da candidatura própria do PT em Pernambuco.

 

As eleições presidenciais e estaduais estão chegando e, novamente, a pauta das “alianças políticas” entre partidos volta ao centro do debate. Desta vez, num novo cenário ainda mais tenebroso para o PT/PE do que foi a disputa interna nas eleições municipais de 2012, que revelou a ruptura ideológica com as suas bases e a intensa disputa de poder entre grupos e tendências do partido em Pernambuco. No entanto, se já não bastasse, tudo isso aliado ao aprofundamento do golpe de 2016, a condenação de Lula e a sombra de um estado de exceção no País.

 

Sabemos que uma aliança política nada mais é do que um acordo ou pacto entre duas ou mais partes, que objetivam a realização de ideias e interesses comuns. Normalmente, esses acordos se dão com o objetivo de atingir o poder.

 

Não é apenas a prática do PT que se observa a intencionalidade em abandonar os interesses políticos e ideológicos por interesses meramente de poder, pos esse abandono nos trouxe consequências devastadoras, como o desgaste politico e erros de condução com algumas coligações feitas. Sendo unânime que se faça necessária uma autocritica profunda e fraterna.

 

Mesmo diante da crise, esperava-se que o PT/PE pudesse, a partir dos seus equívocos, renovar-se e fortalecer-se junto a sua militância, mas, infelizmente o que vemos mais uma vez, é uma disputa interna e por interesses rigorosamente pessoais nos quais o partido não dialoga e não respeita a base que decidiu, em encontro de instância partidária, pela candidatura própria. Assim, a maioria dos militantes se expressa contra a aliança com o PSB/PE por tudo que este partido representou no golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, a traição ao PT em Pernambuco em 2012 e pela péssima gestão a frente do Estado e Prefeitura do Recife, motivo de crítica e desaprovação da população pernambucana.

 

Nós do MOB – Movimento de Base, sem vínculo com tendências internas no partido, enquanto grupo de militantes e filiados ao Partido dos Trabalhadores, vimos a público externar nossa posição em relação ao debate estadual sobre as eleições de 2018 e, por isso, não poderíamos nos expressar, sem resgatar a memória, as eleições do início dos anos 2000 até os dias atuais.

 

No ano de 2000, com a ascensão do PT ao governo municipal do Recife, conseguiu– se um feito que mudou radicalmente a forma de fazer politica e a inversão de prioridades na vida das pessoas. Em Recife, com o lema “A Grande Obra é Cuidar das Pessoas”, a prefeitura deixou um legado de participação, democracia e mudanças importantes em todas as áreas das políticas públicas de saúde, educação, mobilidade urbana, cultura, habitação, etc. nos governos petistas durante os doze anos à frente da gestão municipal.

 

Em 2002 com a eleição do primeiro candidato operário Luiz Inácio Lula da Silva à Presidente da República, houve em Pernambuco uma candidatura petista, na disputa estadual, que obteve mais de um milhão de votos chegando ao segundo lugar. Já em 2004, fomos para a reeleição em Recife, com uma vitória já no primeiro turno, resultado de um  trabalho inovador, recheado de bons resultados na implantação de políticas públicas à frente da Prefeitura, e com investimentos federias, jamais visto pelo município, fruto da parceria com governo Lula.

 

Chegamos em 2006 e tivemos uma eleição atípica no estado, com o pleito para reeleição do Presidente Lula e duas candidaturas ao governo do Estado postas no campo da “esquerda”: O PT com Humberto Costa e PSB com Eduardo Campos. Em Pernambuco, Lula se colocou com neutralidade, levantando os braços dos dois citados candidatos, com a seguinte frase: ”votem em qualquer um dos dois e estarei representado pelo que ganhar”. O resultado foi uma denúncia sobre a operação da Polícia Federal denominada “vampiros”, que tirou o favoritismo do então candidato em primeiro lugar nas pesquisas, Humberto Costa do PT. Até hoje nos perguntarmos de onde saíram as propagandas (material publicitário) da denúncia, tão benéfica ao PSB naquele momento, que amargava o terceiro lugar e se tornou vitorioso. Aliás, muito distante na disputa, segundo pesquisas da época.

 

Com a derrota anunciada, ainda na contagem dos votos, o então candidato petista, já anunciava o apoio do PT ao candidato do PSB. A partir daí percebemos, pois ficou bastante explicito, que as decisões deixavam de passar por consultas às bases, rompendo assim com o processo de democracia interna, para tomadas de decisões individuais e monocráticas ou de uma cúpula do partido.

 

Ano de 2010, o grande desafio: eleger a sucessora de Lula, que deixa a presidência com mais de 82% de aprovação. Aqui em Pernambuco, o governador do PSB se reelegeu com mais de 80% dos votos o que se transformou em um massacre eleitoral ao exgovernador Jarbas Vasconcelos. Nessa eleição, foram eleitos os senadores Armando Monteiro pelo PTB e Humberto Costa pelo PT. O detalhe curioso e já preocupante nessa eleição foi à imposição do suplente Joaquim Francisco, historicamente de direita (ARENA, PDS e PFL) e naquele momento filiado ao PSB. Tal imposição foi feita ao candidato do PT, Humberto Costa. O mesmo não acontecendo em relação ao outro candidato, Armando Monteiro do PTB, que colocou como suplente alguém do seu partido. Observou-se, novamente o PSB traçando os caminhos que o PT deveria seguir a partir da estratégia traçada pelo PSB de Eduardo Campos.

 

O ano 2012 ficou conhecido pela experiência traumática para o PT do Recife. Independente da baixa avaliação popular que o candidato à reeleição do PT, João da Costa, ostentava na época - aqui vale ressaltar uma série de problemas internos no partido, dentre eles: brigas, disputas por espaço, vaidades e egos inflados -, foi inadmissível a forma como o retiraram da disputa resultando na vitória do PSB - com ajuda efetiva de petista-, que concretizaria seu objetivo de desgastar o Partido dos Trabalhadores.

 

Em 2014, já com o projeto de poder do então candidato do PSB Eduardo Campos em ser candidato a Presidência da Republica, houve o afastamento politico das duas legendas, ficando claro qual o papel exercido pelo PT no ressurgimento do então desgastado e praticamente sepultado PSB desde o episódio dos Precatórios no final dos anos 90 e meados dos anos 2000. Colocando uma candidatura própria, o PSB - o que não seria o problema principal, afinal todos os partidos desejam expandir seus raios de poder - afastou principalmente as duas legendas expondo a maneira traiçoeira com que pratica política. 

No primeiro momento, o PSB lançou o então ex-governador Eduardo Campos à Presidência da República. No entanto, esse objetivo foi interrompido em razão da sua trágica morte. Naquele momento, a militância do PSB/PE lançou severos, injustos e levianos ataques ao PT, acusando-nos pela morte de Eduardo Campos, através de pichações anônimas e das mídias sociais. Depois, o PSB/PE preferiu se ajustar aos seus algozes de outrora, como Jarbas Vasconcelos, mirando a destruição do Partido dos Trabalhadores no Estado. Pernambuco sentiu esse golpe nas entranhas e, mesmo elegendo o candidato do PSB/PE (Paulo Câmara) movido pelo clima de comoção e oportunismo, o então candidato do PSDB, Aécio Neves, candidato adotado pelo PSB com o único objetivo de derrotar Dilma Rousseff do PT, foi derrotado com mais de 70% dos votos no segundo turno aqui no estado.
 
Finalmente chegamos às eleições municipais de 2016, quando o PT/Recife chegou ao segundo turno com o então Prefeito e candidato a reeleição pelo PSB/Recife, Geraldo Júlio. A nossa derrota, acreditamos, deveu-se a falta de uma coordenação afinada com a militância, erros de condução e a falta de estrutura. Essas falhas foram mais marcantes que o mérito do prefeito eleito do PSB.
 
Ainda em 2016, mesmo após inúmeros problemas de unidade interna, o PT saiu unido na eleição. Essa aparente unidade foi necessária após inúmeras derrotas (2012/2014)
 
Para o MOB - Movimento de Base do PT, é necessário compreender que a Unidade no Partido é algo mais amplo e profundo do que um “ajuntamento” num processo eleitoral. Apenas passar uma imagem que não corresponde à realidade interna do Partido, não colabora no fortalecimento do PT. É necessário que várias táticas e estratégias pensadas nos diversos grupos sejam comungadas. E, além disso, é importante aprofundar o debate sobre as diferenças, de forma fraternal e não fraticidas, cujo objetivo seja o fortalecimento do Partido, tanto na vitória das urnas quanto junto à base. É isso que esperamos para as eleições de 2018
 
Não há “projeto maior” (PSB), onde só um lado (PT) cede. Não existe a mínima possibilidade de aliança com os nossos principais algozes porque, dos adversários, nada se pode esperar que não seja a nossa destruição. Se a traição já é inadmissível, conspirar se torna imperdoável e foi esse o papel que o PSB teve no golpe: conspirar e golpear um partido e um líder como Lula cujo maior “defeito” foi ressuscitar o PSB nos anos 90.
 
É notório que a militância e seus filiados não ACEITAM, não ADMITEM, não APOIAM e não VOTAM em traidores do povo. O Brasil que vivemos atualmente – machista, racista, homofóbico, preconceituoso, fascista, atrasado, corrupto - e comandado por uma quadrilha no Executivo, no Legislativo e no Judiciário, é fruto EXCLUSIVAMENTE dos 29 votos do PSB. Se a historia não pode ser apagada, nossa memória não nos permite esquecer.
 
Urge no PT uma posição de protagonista nessas eleições no Estado E ESSE PROTAGONISMO SÓ VIRÁ COM CANDIDATURA PRÓPRIA.
 
Nesse sentido, cabe ao PT tarefas fundamentais que foram deixadas de lado, tais  como: o trabalho de organização das bases (e não a divisão) e o processo de formação politica como estratégia de fortalecimento do Partido em Pernambuco e no Brasil.
 
Dizer que a candidatura própria é fundamental para conquistamos uma bancada, chega a ser retórica, pois a necessidade é muito mais de se reerguer, trazer a confiança e respeito dos seus militantes e, principalmente, fazer renascer a esperança de podemos ser atores e atrizes sociais, politicas e da nossa própria historia.
 
Nesse sentido, o MOB reafirma sua posição em defesa da candidatura própria, abrindo espaços para alianças com partidos que se posicionaram contra o golpe.
 
Sabe-se que três candidaturas estão colocadas na disputa interna, e nós nos colocamos a disposição para ouvir cada um, para nos posicionar. A democracia que tanto propagamos e defendemos, impõe-nos a necessidade de saber quais compromissos ideológicos e partidários norteiam essas candidaturas.
 
Também nos colocamos comprometidos com a elaboração do programa de governo, formulação de estratégia de campanha e do diálogo com o povo pernambucano para elegermos candidaturas do Partido.
 
Propostas, conteúdo, comprometimento, respeito às instâncias partidárias, serão esses os objetivos de uma candidatura do PT nas Eleições 2018.
 
Ficamos no aguardo de uma agenda com os/as candidatos o mais breve possível.
 
Fevereiro/2018
 
Movimento de Base do PT
 
Alba Tatiana Siqueira
Ana Cláudia
Cicleide Roque
Daniel Garcia
Deise Aguiar
Eunice Souto Maior
Esequias Pierre
Fabiana Bezerra
Francisco Illo
Gabriela Costa
Gilvan Freitas
Gabriele Freitas
Gina Imperial
Giovani Morais
Heraldo Araújo
Jailson Pereira
Jenner Nascimento
Joaquim Araújo
Carlos Silvan
Leo Araújo
Luiz Felipe
Morgana Falcão
Maria Luiza Fernandes
Mariângela Borba
Paulo Alexandre
Paulo Freitas
Prazeres Barros
Priscila Freitas
Passarinho Gomes
Severino Ramos
Rodrigo Matos
Ronaldo Couto
Rosangela Gomes
Sarah Albuquerque
Thiago Queiroz
Valéria Cerqueira