PT: 39 anos de lutas, sonhos e resistência

PT: 39 anos de lutas, sonhos e resistência

Por Flávia Hellen Lula da Silva*

 

 

No último dia 10, o Partido dos trabalhadores e das trabalhadoras completou 39 anos de muita luta em defesa dos nossos direitos e de um Brasil mais justo e soberano.

 

Em tempos de ascensão do FASCISMO e de perseguição aos movimentos sociais é necessário intensificarmos a defesa do maior instrumento de luta da classe trabalhadora no Brasil. E também reforçarmos os princípios revolucionários que o fundaram.

 

O PT surge como alternativa popular de organização dos oprimidos, pensado e articulado com setores progressistas da igreja, com os movimentos populares do campo e da  cidade, com o Movimento negro, o feminista e o estudantil que não viam até então no Brasil um espaço partidário popular e que defendesse o socialismo democrático.

 

A história do PT se confunde com a história de lutas e conquistas  da nossa gente e não se pode falar de  transformação sem ressaltar o protagonismo dos petistas.

 

Na última década o Brasil mudou radicalmente com a chegada dos trabalhadores e das trabalhadoras ao poder e defender esse legado é essencial para que possamos derrotar o fascismo e, sobretudo, apontar uma nova agenda e um novo programa para o País.

 

Nossa geração está vivendo um dos momentos mais críticos do seu tempo! A chegada da burguesia que arquiteta a entrega das nossas riquezas, golpeando nossa soberania e atacando nossos direitos.

 

Precisamos estar organizados e mobilizados para ENFRENTAR e RESISTIR aos ataques que o governo Bolsonaro, que junto a classe dominante, quer-nos impor movimentos anti-democráticos e entreguistas que favoreçam seus lucros e perpetuem seus privilégios.

 

O Desemprego, o aumento do gás, os cortes na Educação, as privatizações, o enfraquecimento dos povos indígenas, a perseguição às minorias LGBTs, as políticas que compactuam com o genocídio do povo negro, entre outros representam um verdadeiro retrocesso no estilo de vida que a classe trabalhadora pôde ter no último período com a política de inclusão social promovido pelos governos petistas.

 

Nesses 39 anos faz-se necessário uma autocrítica dos caminhos que nos trouxeram até aqui, um caminho de contradições, mas marcado por inúmeras conquistas sociais, políticas e econômicas  para nossa gente.

 

Estamos  em processo de reorganização, de reaproximação com a nossa base social e com os princípios que fizeram de nós uma das maiores  experiências de luta do Povo trabalhador, mas também é um período de atualizar nosso método, programa e modelo organizacional, de abrir as portas do nosso partido para os novos atores e atrizes sociais que ainda não veem nas estruturas partidárias um lugar acolhedor.

 

É hora da apontar novos rumos, derrotar o fascismo, organizar o povo e fazer o Brasil voltar a sonhar, inspirado na luta das juventudes, das mulheres, dos negros e negras, da população LGBT, do povo trabalhador.

 

Nesses 39 nove anos fica cada vez mais claro que o PT é um partido necessário e reorganizá-lo é a tarefa mais importante que temos para o próximo período.

 

Vida longa ao PT.

 

Lula Livre.

 

*Flávia Hellen é estudante e militante da juventude do Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras.